terça-feira, março 04, 2008

Estrela da Tarde

De José Carlos Ary dos Santos.

DSC00487

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia
Era tarde, tão tarde, que a boca, tardando-lhe o beijo, mordia
Quando à boca da noite surgiste na tarde tal rosa tardia

Quando nós nos olhámos tardámos no beijo que a boca pedia
E na tarde ficámos unidos ardendo na luz que morria
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia

Meu amor, meu amor
Minha estrela da tarde
Que o luar te amanheça e o meu corpo te guarde
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza
Se tu és a alegria ou se és a tristeza
Meu amor, meu amor
Eu não tenho a certeza

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram

Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam
Era a noite mais clara daqueles que à noite amando se deram
E entre os braços da noite de tanto se amarem, vivendo morreram

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso, se é pranto
É por ti que adormeço e acordo e acordado recordo no canto
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto

Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto!

Este é, sem dúvida, um dos meus poemas favoritos deste rebelde e não castrado poeta. É perfeito, na métrica desesperada, na sensibilidade à flor da pele. Dá para sentir aquela tarde, aquela noites, as que lhe antecederam e as que lhe sucederam. Vale a pena deixar-nos embalar por estas palavras...

A partir de hoje, sempre que ache pertinente vou colocar aqui uma foto minha (ou mais!), ilustrando poemas ou outros textos da minha preferência ou até escritos por mim, se me permitir o engenho :p

Espero que gostem!

10 comentários:

JOY disse...

Cati

Minha querida amiga ,hoje é só para dizer que tens uma lembrança no meu espaço.

Fica bem
Joy

Professorinha disse...

Ao tempo que não ouvia e lia este poema... Lindo...

Beijos

Belzebu disse...

Espero que gostem? É claro que sim. Quem é que consegue resistir a um poema do Ary e à voz do Carlos do Carmo?

Fico curioso com as fotos e os poemas que nos vais oferecer!

Aquele abraço infernal!

Sofia disse...

Espero por mais; teus também! ;P

osátiro disse...

Bela conjugação...foto, poema.

Formiguinha disse...

E que bem interpretado foi!

É muito bom relembrar grandes poemas e poetas.

Bêjos

Tiago R. Cardoso disse...

Bom nesse caso, força, grande momento, excelente foto.

Catarina, disse...

Muito bem :) vou gostar de ver. A fotografia está excelente e o poema melhor ainda.

Um beijihno
cat*

The Wolf disse...

Eu gosto, e Ary, boa escolha...

Beijo

Maria Manuela (M&M) disse...

O Zé Carlos era um tipo superior...
bj