quinta-feira, novembro 29, 2007

O Urso Maomé

Era uma vez um ursinho, chamado Maomé...

Assim poderia começar uma bela história infantil. Mas não.
Assim começa uma história de horror que está a ser vivida no Sudão e tem como principal protagonista uma professora inglesa, Gillian Gibbons, de 54 anos.

E porquê?
Consta que a professora, que lecciona numa escola privada inglesa em Cartum, a capital do Sudão, levou o peluche de um ursinho para a aula e pediu aos seus alunos de 7 anos para escolherem um nome para a mascote... Sendo que a comunidade envolvente é de maioria islâmica, o nome escolhido pelas crianças foi Muhammad (Maomé em português), um nome muito comum na comunidade. Até aqui, nada demais... aparentemente.

A professora foi denunciada por pais indignados. Foi presa. E mais - ao abrigo da lei islâmica, incorre na pena de 40 chicotadas na praça pública ou seis meses de prisão.

Para mim isto é chocante...
Gostaria de realçar que o nome foi escolhido pelas crianças... estas provavelmente acharam que estariam a homenagear Maomé e a professora, ocidental que é, entendeu o mesmo!
Devemos respeitar as crenças e a cultura dos outros, é certo. Mas não me parece legítimo levar esta mulher a ser chicoteada em praça pública, ou sequer encarcerada por um dia que seja, por ter permitido que as crianças dessem um "nome venerado" a um peluche que nada tem de ofensivo. Eu sei que se deve seguir o velho ditado de "em Roma sê Romano"... mas sinceramente sou contra a violência e a maneira como rapidamente se passa de uma questão de defesa de ideais para uma questão de vingança...

Diz-se que este caso já está a provocar tensão nas já difíceis relações diplomáticas entre Reino Unido e Sudão... pudera! Espero que consigam salvar a professora que, a meu ver, nada fez de mal senão fazer a vontade às crianças.

(E não deixa de ser irónico constatar que os paizinhos islâmicos são iguaizinhos a certos pais portugueses que eu conheço... embora os islâmicos sejam mais radicais, diga-se de passagem!!! Chiça, não me estou a ver a ir presa porque não deixei uma criancinha ir à casa de banho ou porque aprovei que chamassem Jesus a uma mascote... mas já não deve faltar muito - pelo andar da carruagem...)

Mas adiante, que não é de Portugal que quero falar.
Quero falar dessas pessoas que, originárias de países espalhados por esse mundo fora, emigram e trabalham em países sub-desenvolvidos ou com dificuldades causadas pela guerra, pela fome, pelas catástrofes mundiais...
São médicos, enfermeiros, professores, militares, empresários, missionários... muitos deles vão por amor à Humanidade, outros vão porque entendem que têm o dever de ajudar, outros vão apenas por dinheiro... Por dinheiro ou não, a verdade é que estas pessoas vão para sítios pouco apetecíveis desempenhar tarefas em condições muito difíceis... Fazem aquilo que eu, por exemplo, era incapaz de fazer - e chamem-me egoísta, que eu não me importo - sair da minha casa, do meu conforto conquistado, da minha vida que tem de complicada o que também tem de simples, deixar a minha família, os meus amigos...

E é por isto que admiro estas pessoas e condeno os governantes/ líderes políticos/ líderes religiosos e afins quando deixam que estas pessoas sejam mal tratadas, raptadas, assassinadas, violadas, presas injustamente... E o mais horrível é serem criminosos em nome de Deus, de Jesus, de Alá, de Buda, de Jeová ou de Maomé. Eu tenho conhecimento relativo das escrituras cristãs e muito superficial da lei islâmica - mas recuso-me a acreditar que em alguma religião se faça o apelo à guerra, ao crime, à incompreensão, à injustiça.

Aquilo que eu acho - e desconfio que não ando longe da verdade - é que os homens manipulam as escrituras a seu belo prazer... e depois lá andam os deuses e os santos e os apóstolos e os mártires a mando dos interesses económicos, políticos, territoriais, petrolíferos, ditatoriais...

E é por estas e por outras que não se pode chamar Maomé a um peluche...
Era uma vez um ursinho chamado Maomé.
Maomé não podia ser Maomé.

A culpa foi da professora.

Chicoteie-se.

Arquive-se.

25 comentários:

Casemiro dos Plásticos disse...

e uma realidade estranha...muito estranha...por coisas simples o problemas que dá, enfim!
beijo

Joseph disse...

Cati,
Oi

Deves estar a preparar-te para ir dormir, ou já o estás a fazer, porque amanhã é dia de aulas... veremos.

O teu post é tão bem elaborado, que não vou adiantar mais nada a não ser que o subscrevo na totalidade.

Este mundo é uma cambada de ranhosos... só olham para o umbigo deles.Porra para as políticas, para os Srs. do poder, olha, mandem a professora embora e deixem-se de merdas. Antiquados!?..

2 beijocas amigas
Bye, for tonight

Shootingstar disse...

sinceramente!!! ouvimos com cada uma!!!

Vício disse...

seja qual for o deus venerado, apenas se trata de uma mascara para a vontade humana(?)

Sofia disse...

Xiii! Opinião só parecida! É melhor não comentar... mas de qualquer das formas cá vai: é claro que não acho justo nem sequer razoável que aconteça seja o que for à senhora pelo incidente do urso! Mas isto é como a história dos cartoons... quando se brinca (no caso dos cartoons) ou quando se vai trabalhar para um país com uma cultura diferente, devemo-nos informar do que pode ter interesse visto ser tão radicalmente diferente. A mim também não me parece bem que alguém vá preso por fumar na paragem do autocarro, ao ar livre, mas podes ir, em países ditos de 1º mundo! E como tu bem sabes, já to devem ter dito na segurança social ou qualquer outro instituição similar deste país, que não considero mais desenvolvido que esse outro, o desconhecimento da lei, não invalida que se seja penalizado quando pisamos o risco.
Este país, que repito, não é mais desenvolvido, deixa pedófilos à solta, maltrata quem trabalha e paga os seus impostos, nos chula por uma consulta e... enfim, nos faz sentir injustiçados também! Para além do mais, a senhora já tem a sentença lida: mais uma ou duas semanas presa e depois é transportada para a Grã-Bretanha, donde tão depressa, não deverá querer voltar a sair!
Ficou bem comentadinho?! Big kiss and see u tomorrow! (",)

paula silva disse...

É quase indescritível o que nos vai na alma quando ouvimos relatos destes... Mais que revolta e indignação é assim uma dor cravada no peito, que fica em carne viva!!!
Nem na Idade Média... Ou será que regressámos às fogueiras e à Inquisição??? Parece que sim...

Prabéns, mais uma vez, por uma crónica tão sentida e envolvente.

Pergunto apenas: será que as crianças também vão ser punidas? É que não faltava mais nada!!!

Beijinho à Cati

htsousa disse...

Um amigo meu, que foi chefiar uma equipa no cazaquistão durante uns meses, contou-me que teve formação durante duas semanas sobre os meandros da religião, da moral e da etiqueta locais, tudo para não haver problemas.
É claro que a empresa disponibilizou tudo isto...

Também me parece estúpido, mas temos de nos adequar à realidade em que vivemos.

Beijinhos.

Didas disse...

Pois cá para mim devia levar 50 para aprender a não se meter com essa gente! É mesmo inglesa, porra, não vêem nada para lá do umbigo.

Cati disse...

Casimiro: Podes crer Casimiro... gente muito estranha que tem lá as suas razões, é certo, mas que para mim são difíceis de entender... Beijoca!

Joseph: subscrevo!!! Se não gostam mandem embora, não é preciso bater... dasse!!! Beijoca!!!

Shooting: pois... às vezes apetece tapar os ouvidos!
Beijo grande!!!

Cati disse...

Sofia: já comentei o teu comentário via MSN... sabes que concordo contigo, mas também sabes que esta é uma espécie de crónica de OPINIÃO - não estou a julgar ninguém... se os juízes não julgam convenientemente os pedófilo, quem sou eu para julgar os sudaneses que mandam chicotear uma professora que não respeitou, no seu entender, as leis do Islão??
Na verdade os castigos corporais, penas de morte e afins não deviam existir... em parte alguma do mundo. Mas vivemos num mundo injusto, é certo...
Beijo enorme, obrigada por teu comentário!!! Gostei!

Cati disse...

Paula: titia, eu também me perguntei o mesmo relativamente às crianças... também gostava de saber!
Beijocas grandes e... obrigada pela leitura, já sabe que dou muito valor às suas opiniões e fico muito feliz quando comenta!

Htsousa: concordo! Aliás, como eu digo na crónica, "em Roma, sê Romano". Dou muito valor a essas instituições que se preocupam em dar o background cultural, assim como valorizo as pessoas que o fazem por sua conta... o que está em questão, no meu ver, é a brutalidade do castigo, tendo em conta que a professora se limitou a aceitar uma sugestão dada pelos alunos, nascidos e criados no seio do Islão...
Enfim, obrigada pela visita e pelo comentário... Volte SEMPRE!!! Beijinho

Cati disse...

Didas: LOL, também acho os ingleses uns snobs do pior... mas a senhora até podia ser chinesa - aqui não se trata de olhar para o umbigo (por incrível que pareça!!!)
Chicotear uma pessoa em pleno Século XXI não me parece nada bem... mas a ser permitido, chicoteie-se toda a bandidagem!!!

Belzebu disse...

Por vezes tenho dificuldade em comentar certas coisas sem baixar o nível e dizer meia dúzia de barbaridades embrulhadas em calão. Todos os tipos de fundamentalismo me irritam e o religioso não é excepção, antes pelo contrário. O Islão não é isto que estes fundamentalistas querem fazer dele. Ao adulterarem as escrituras e ao interpretarem a seu belo prazer, estão a prestar um péssimo serviço ao seu Deus e a extremarem as posições de todos que com eles contactam.

Apesar de ser ateu, tenho um profundo respeito por todas as crenças e algum conhecimento sobre todas elas, no entanto, começo hoje a olhar o Islão de forma desconfiada e preocupada, pois julgo que já não estamos a falar de uma religião, mas de ódios acumulados, de algo que vai muito para além do sagrado.

O que se está a passar no Sudão, um dos países mais fundamentalistas do planeta, é totalmente inaceitável e deverá fazer repensar o Ocidente, a forma como nos relacionamos com este tipo de gente!

Aquele abraço infernal!

Cati disse...

Belzebu, meu diabrete favorito: subscrevo na totalidade... escreveste exactamente o que eu queria dizer (embora eu não seja ateia) mas não tive coragem de fazê-lo... provavelmente por causa da minha educação cristã, quem sabe?
Estás à vontade para baixar ao calão - às vezes é a única maneira de nos fazermos entender - mas sem nunca perder o charme!!!
Um beijo endiabrado... obrigada!

redjan disse...

Enorme dissertação..... análise, leitura e conclusão. Muiiiiiito bom mesmo Cati....

Professorinha disse...

Eu costumo dizer que guerra santa são duas palavras que nunca deveriam estar juntas na mesma frase... e muito menos juntas uma da outra...

Beijos

Tugafixe disse...

É o mundo que temos! O que é que podemos fazer?

Beijinhos! E bom fim-de-semana!

JOY disse...

Olá Cati,

Tenho muita pouca paciência para fundamentalistas sejam politicos ,religiosos.faz-me confusão tamanha cegueira e intolerãncia religiosa.

JOY

gata disse...

Desculpa, mas tenho que responder ao Tuga. Que podemos nós fazer? NAda, pois claro, não teria qualquer valor, nada que eu fizesse. Nada em absoluto mudaria esta situação.
TOLERANCIA. é apenas disto que se trata ou não...e DESCONHECIMENTO.
E eu digo que se pode, perfeitamente fazer algo, todos os dias a cada passo, a cada decisão. Não vamos salvar a professora em questão do castigo que lhe destinarem, mas se por uma vez alguem se vir perdoado do castigo, não pensará duas antes de ser ele a castigar?

Não sei, se calhar ainda é muito cedo, e deite-me tarde, mas nós podemos fazer. Não vou salvar a Sra que está no fim do mundo, mas posso travar injustiças iguais à soleira da minha porta. Mas não posso evitar chicotadas em praça publica a uma professora....portanto, que importa?
Não se faz nada.....


AH!
Beijo Cati. Beijo Tuga. Beijo a todos e bom fim-de-semana.

TugaFixe disse...

Ó Cati, eu falei em tom de desabafo. Isto, a fome, as guerras, todas as injustiças do nosso mundo... controladas por "seres" que se julgam superiores, alguns que falam em nome de Deus, que se julgam donos dos povos e do mundo. São esses que impedem que tu, eu, e todos façam alguma coisa. Entendes o que quis dizer?

Bom fim-de-semana.

Cati disse...

Redjan: para variar exageraste no elogio... ainda assim, OBRIGADA!
Já tinha saudades tuas por aqui... até pensei que andasses zangado com o mundo louco... Beijo!

Professorinha: digo isso tantas vezes!!! Guerra santa é um conceito incompreensível... Beijo enorme, FORÇA!

Joy: a mim também faz confusão... por isso escrevi este texto! Beijinho, bom fim de semana!

Cati disse...

Gata: TOLERÂNCIA - é essa a palavra. E é claro que podemos fazer alguma coisa. Pequenos gestos, todos juntos, são já uma grande contribuição para um mundo melhor... e haverá melhor época para isso do que o Natal!?
Um beijo bem miado para ti...

Tugafixe: É claro que percebi... é fácil perder a fé no mundo! Quantas vezes não a perco para depois ter de a encontrar? Os que se julgam donos do mundo fazem e desfazem a seu belo prazer... mas temos de fazer algo, sempre, por pouco que seja. Eu acho que, por exemplo, falar sobre estas coisas, já é um grande passo para um mundo melhor porque reflectimos sobre ele e sobre o que nele se passa...
Um enorme beijo... quero-te cá mais vezes!

ze ceitil disse...

Cati
A tolerância está a tornar-se um luxo civilizacional dentro da esfera do poder, mas também fora dela. Apesar dos avanços tecnológicos indicarem o caminho de um mundo melhor, os recuos idiotas e fundamentalistas à mão dos tiranetes, e dos aspirantes, não auguram nada de bom. Mesmo assim..., é melhor viver na Europa!
Subscrevo o texto, na integra.
P.S. - Quanto ao livro, obrigado pelo apoio.
Beijinhos

Tuga disse...

Sinceramente.... e depois ainda querem que os vejamos com bons olhos. PQP.


http://quintaldotuga.blogspot.com/

AJO disse...

Tens toda a razão, mas quando se estão debaixo de uma lei islâmica deve-se ter cuidado com as palavras. A lei é assim mesmo. Muito se pode dizer sobre religiões e é um tema demasiado complicado para se conseguir tratar num post, num comentário. Mas se eu fosse para um país muçulmanos e as crianças colocassem o nome do profeta do Islão no urso eu não autorizava. Em Portugal autorizava colocar Jesus. A maneira como nós gerimos tudo isso é muito diferente da maneira que eles gerem e o melhor é evitar problemas em países para quem manda isso é um problema. Agora tenho pena da professora e lamento que isso venha a acontecer. Acho chocante.
BJS