domingo, agosto 19, 2007

Oh da guarda!!!

Este fim de semana vim às festas da minha santa terrinha. Quanto a isto está tudo dito - frangos assados, bifanas e muita bejeca, acompanhados pelo bailarico ao som dos últimos sucessos pimba, muitos emigras e muitos imigras também (nos quais me incluo!).

Este post, porém, não é sobre as festas e todo o material digno de National Geographic que lá se pode observar. Não. Este post é sobre a GNR local.

A minha avó tem uma casa já há muitos anos que tem um canteirinho na rua, mesmo à porta. Ora, o canteirinho parece estar a incomodar o vizinho do lado. O dito senhor comprou a casa ao lado há uns anos e resolveu alterar a entrada, construindo a dita mesmo ao lado do canteiro. Na altura o meu avô ainda era vivo e o vizinho dizia em tom de brincadeira "Eh amigo João, este canteirinho fica aqui mesmo bem!"
O meu avô entretanto faleceu e o vizinho, que nem sequer mora na casa, resolveu implicar com o canteiro. E pensam vocês "O homem foi chatear a viúva, olha o sacana!" Não. Este senhor fez pior. Foi à GNR, sem falar com a minha avó, e apresentou queixa. Então e a GNR? Quanto à GNR local, tenho três coisinhas a dizer:
1) É indecente virem atrás de uma senhora sozinha para a chamarem ao posto. Não se chama uma senhora de 72 anos ao posto da Guarda sem mais explicações, como se ela fosse uma criminosa. Além disso nem sequer foi formalmente notificada. Obviamente que nos ligou e nós viemos de sirenes ligadas pela A23 acima em seu auxílio para a acompanharmos ao posto.

2) Chegados ao posto encontramos um único agente da autoridade que não sabia de nada. Ligou ao chefe do telemóvel pessoal (quase sem bateria, coitado!) e o chefe, via telefone, lá explicou o sucedido. "Ah, diz que é um jardim que faz humidade na casa do senhor." E lá ficámos nós a saber porque é que a minha avó foi chamada ao posto por notificação verbal - ok, será que isto existe?!?

3) Convidámos o senhor guarda a acompanhar-nos ao canteiro da discórdia - um frondoso jardim com 50 centímetros quadrados. No entanto não nos podia acompanhar pois encontrava-se sozinho no posto. Lindo. Quer dizer, se se desse um crime ou qualquer situação em que fosse necessária a intervenção da autoridade local, tinha de chamar os colegas da localidade mais próxima. É triste, muito triste. Tão triste que nem tenho como comentar esta porca miséria.

Atenção!!! Não estou a meter todas as forças da autoridade no mesmo saco... Elas existem, e são elas que tantas vezes nos safam de um aperto. No entanto sinto-me triste e indignada com este posto em particular, porque se dirigem com hostilidade às pessoas de forma parcial, rude e sem dar mais explicações - explicações só no posto. Também acho triste que as pessoas, como este vizinho que nós nem conhecemos porque não habita cá na terra, não tentem resolver as situações a bem e com diálogo. É muito cobarde ir à GNR fazer queixa sem sequer falar com as pessoas!
Não percam as cenas dos próximos capítulos... Desculpem lá o desabafo!

Beijocas cheias de música do Emanuel!!!

2 comentários:

DS Gaia disse...

Quê???????? Por causa de um canteiro? Ouve, esse senhor não bate bem da mioleira!

Gazela disse...

Isto não é um desafado mas sim a pura realidade do que acontece no nosso Portugalinho!!!

Eu quando for grande também quero ser agente de autoridade!! Das duas três:

1) Ou vão com a ideia de que naquela profissão não se faz nenhum, e mesmo quando aparece algo para fazer eles não fazem porque, simplesmente não lhes apetece;

2) Outros há que tê a mania que são os reis do mundo e tratam as pessoas como se fossem lixo ou animais irracionais;

3) Há aqueles que são um poço de simpatia, sempre disponíveis para ajudar e até bastante justo! Mas que depois têm pessoas por trás que acabam por influenciar directa ou indirectamente a sua conduta!!

Enfim, é o pais que temos! O país onde cada vez estamos mais seguros! Sim, porque imaginem que estava a haver um assalto na mesma hra em que o sr agente estava ocupada com o caso da tua avó...

Bjos Grandes!! ;)